segunda-feira, 15 de maio de 2017

Um pouco da história dos vitrais do Mercado Municipal de São Paulo SP

6 Outubro 2015

Nos vitrais, a pintura complementa o colorido dos vidros, serve para a criação de sombras e tonalidades, para o aprimoramento das formas, para a modulação da luz. A arte do vitral desenvolveu-se enormemente durante o período medieval, momento em que, com a afirmação do gótico como expressão da arquitetura, as composições de vidros coloridos passaram a vedar grandes superfícies das igrejas e, além das funções decorativas, ganharam funções pedagógicas, ensinando aos fiéis, por meio de imagens, a vida de Cristo, dos Santos e passagens da Bíblia.
Entre os séculos XIV e XVI, os vitrais passaram a ser utilizados como formas de iluminação dos ambientes e a pintura dos vidros adotou a perspectiva, o que tornava os vitrais semelhantes aos quadros. Sua utilização ampliou-se dos espaços públicos, em especial das igrejas, para os ambientes privados, como palácios e sedes de corporações. As representações neles contidas se estenderam, então, para a heráldica, para as epopeias, para as caçadas e para a mitologia. No Estado de São Paulo, a utilização de vidros coloridos e pintados, montados em perfis de chumbo para decoração e iluminação de ambientes, correspondeu à fase moderna do desenvolvimento da arte de produzir vitrais.
Na capital, ampliou-se a partir da virada do século passado, com a expansão de novos bairros, a monumentalização dos edifícios públicos e o requinte arquitetônico das residências. Até hoje vitrais de edifícios públicos paulistanos, como os do Palácio da Justiça e do Mercado Municipal, causam admiração pela proporção, beleza e integração com o projeto arquitetônico. Representando temas históricos ou referentes às funções públicas dos edifícios, as imagens formam um conjunto das representações que, a partir do fim do século anterior, criaram e reafirmaram um perfil de São Paulo diante do Brasil. 
Sob esse ponto de vista, os vitrais, além de peças de arte, constituem importantes documentos históricos. Eles nos falam do forjar de ideias que se tornaram referência e moldam nossa relação com o passado e com o presente, justificando papeis e responsabilidades sociais. Produtos materiais de cultura, parte de nosso patrimônio histórico e objetos de fruição de beleza, os vitrais expressam por meio do poder das imagens a tradição, a excelência econômica e cultural de São Paulo, o trabalho, a determinação e o progresso. 
Outras possibilidades de criação do vitral podem ser observadas no Mercado Municipal de São Paulo, 1933, que apresentam um tom quase jornalístico a temática dos vitrais. Ali aparece o homem flagrado no momento de seu trabalho: alimentando animais de criação, colhendo café, transportando bananas, tocando o gado. Cenas da agricultura, avicultura, pecuária, mostrando agricultores trabalhando de forma bem rudimentar, numa época anterior à mecanização. Tudo retratado dentro de um realismo fotográfico no que diz respeito à paisagem, à proporção e à profundidade dos elementos representados, buscando a autenticidade das informações.

Vista noturna dos vitrais e Mercadão..Foto: André Estéfano.

Cenas do cotidiano da vida no campo na década de 30.

Plantação de café.

Agricultores trabalhando na lavoura.

A colheita e o transporte de bananas.

Boiadeiro conduzindo a manada de bois através do rio.

Os 5 vitrais que retratam cenas da vida no campo, estes foram criados por Conrado Sorgenicht Filho que já tinha a tradição na família, cuja técnica foi trazida da Alemanha no século XIX pelo seu pai, Conrado Sorgenicht.
Conrado Sorgenicht (filho) andou pelas fazendas do interior do Estado de São Paulo, acompanhado de seu filho Conrado (neto), que já trabalhava no ateliê desde 1922, fotografando lavouras para registrar as ferramentas utilizadas, os meios de transporte, os animais de pequeno porte sendo criados soltos. Inspirados nestas fotos, o vitral foi criado. A criação dos vitrais levou 5 anos. Os vitrais foram restaurados no final dos anos 80 por Conrado Sorgenicht Neto.***

Professora Dra. Regina Lara Silveira Mello / Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Aprenda a técnica do Mosaico

Curso Completo de Mosaico

Aprenda a técnica de mosaico criando a sua obra de arte. Resgate o seu lado artistico através da união de cores, fragmentos e de sua criatividade. Através de ferramentas e da aplicação em diversas técnicas, você vai desenvolver  5 peças: um porta-joia, uma mandala, um numeral para sua casa, uma luminária e um tampo para mesa de apoio
  • Carga horária:
    36 horas, que são divididas em 12 aulas de 3 horas cada
  • Nível do curso:
    Básico e intermediário
  • Público-alvo:
    Artesãos, artistas plásticos, pintores, decoradores, arquitetos designers de interiores e demais interessados em aprender a técnica do mosaico.
  • Objetivo geral:
    Aprender a técnica de mosaico, do corte correto das pastilhas e vidros coloridos, preparação da base à montagem das peças
  • Pré-requisitos:
    Não há pré-requisito.
Material Incluso:
Kit das peças de base e o material para a execução destas peças.
Apostila
Ferramentas (uso coletivo nas aulas) 

Não Incluso: Base de ferro para a mesa de apoio e para a luminária


Aulas: Terça-feira ou Quinta-feira 

Horarios: das 9h00 às 12h00 ou das 14h00 às17h00


Informações 


Inscrições: 

fone: 19 - 3324.6904 / 9 9214.6726
email: mari.geuer@gmail.com


  • Modelo das peças as serem executadas

Porta-joias 

Mandala 15 cm
                                   
Número feito em ardosia metodo indireto

                             

Luminária


E um tampo de mesa de apoio  (base de ferro não incluso)


Inscrições: 

fone: 19 - 3324.6904 / 9 9214.6726
email: mari.geuer@gmail.com
ou       tinekegeuer@ig.com.br


domingo, 19 de outubro de 2014

domingo, 9 de março de 2014

Mandalas, móbiles, Porta Chaves....





Mandala - É uma palavra sânscrito que significa Círculo. Universalmente a mandala é o símbolo da totalidade, da integração e da harmonia. Em várias épocas e culturas, foi usada como expressão científica, artística e religiosa.

Móbile - Escultura feita com pequenas peças, suspensas individualmente por fios e que se movem ao vento.



São coloridas

Móbile mosaico borboleta
Móbile Sol e Lua

Móbile formas
                                       
                                                       Alegres 


Colibri
Mandala Coruja
Mandala Lua
             


                      E dão um toque especial em sua decoração.


Móbile mosaico colibri

Móbile mosaico casal pássaro

                                            

            Participação na Feira de Arte e Artesanato de Campinas/SP

domingo, 5 de maio de 2013

Luminárias com vidros e seus reflexos em luzes

Depois de escolhido o modelo, para dar o destaque que o lustre merece na decoração o segredo é evitar muito objeto no mesmo ambiente. Caso o objetivo seja valorizar o ambiente com a peça, lembre-se que ela deve ser protagonista, evitando muitos objetos e até iluminação muito próxima, que pode neutralizar seu efeito.

Observar a localização, a altura em que será colocada e o efeito que a peça pode causar em diferentes posições é essencial para maximizar o efeito do  em um ambiente. “Na colocação de um lustre, o que dá certo é respeitar o estilo do ambiente e verificar se está no local adequado para o efeito que pode proporcionar.”




Para executar o serviço de instalação, é essencial contar com um eletricista, profissional que tem conhecimento técnico e está acostumado com as peças e maneiras de instalação, que variam de lustre para lustre.Também é ideal que seja verificada a altura da peça no momento da instalação.